top of page
Search

Você sabe reconhecer seu valor? Hoje o assunto é autoestima.


Quando perguntamos para uma pessoa: “Como anda sua autoestima?”, é bem comum que se relacione com a questão da beleza, portanto, a pessoa se diz com uma boa ou baixa autoestima, com base no sentimento de satisfação ou insatisfação com sua aparência física.


A autoestima de que vamos falar está além das aparências, diz respeito ao valor que damos a nós mesmos, baseado nas nossas virtudes e ao que trazemos na nossa essência, ou seja, deve ser tratado como algo subjetivo, interno, individual e único. Por isso não podemos depositar nosso valor nas mãos de outras pessoas, tão pouco esperar que elas nos reconheçam.


Esse senso de valor individual faz parte do processo de autoconhecimento e do nosso desenvolvimento humano e deve, portanto, ser construído numa base sólida dentro de nós, isto é, se faz necessário um Eu maduro e seguro de si. Amar-se deve ser uma prática diária, hoje você pode ter vencido ao reconhecer seus valores, amanhã novos desafios surgirão para que você, mais uma vez, se fortaleça de quem você é.


Através da Astrologia podemos trazer a luz da consciência para nossos talentos essenciais e para os nossos dons que nos fazem um ser humano insubstituível. O Universo nos concedeu determinadas características únicas que devem ser desenvolvidas e utilizadas em prol da sociedade, de modo que focar nessas qualidades aumentam consideravelmente nossa autoestima.


Há uma frase do Bhagavad Gita que é muito pertinente para o assunto autoestima, em que Krishna diz ao guerreiro Arjuna: “Lembra-te que é melhor cumprir a própria tarefa, ainda que seja humilde e insignificante, do que querer fazer a tarefa de outro, por mais nobre e excelente que seja. É melhor morrer no cumprimento do seu dever, do que viver negligenciando-o e querendo fazer o que a outros compete fazer”.


Acredito que o primeiro passo nessa jornada seja a aceitação de que nada na natureza é perfeito, de modo que o ser humano como parte da natureza também não é. Todos nós temos qualidades e sombras na nossa personalidade e, a única certeza que temos é de que tudo flui, sendo assim, é possível lapidar e mudar o que entendemos como um impeditivo do nosso crescimento.


O segundo passo é identificar se há o reconhecimento do próprio valor, pelo que se é, do jeito que se é, independente da condição social ou do quanto se produz materialmente. Talvez nós fomos condicionados a fazer uma conexão entre o ter e o nosso senso de valor próprio, ou seja, nossa autoestima, quando a verdadeira conexão deve ser feita no campo do SER, pois ainda que se perca tudo em termos materiais o homem ainda é digno de seus valores e virtudes.


O terceiro passo é saber que cada indivíduo possui um papel específico no mundo e a comparação exacerbada, principalmente em tempos de rede social, é o principal vilão da autoestima. Logo ao nos compararmos geramos um sentimento de inadequação e consequentemente nos diminuímos, visto que a régua que utilizamos para medir o sucesso do outro não é a mesma que utilizamos para nós mesmos.


Bem, no mapa astrológico há alguns indicativos de uma possível predisposição do nativo em ter baixa autoestima como, por exemplo, uma conjunção de Vênus ou do Sol com Saturno, o signo de Leão ou de Touro ilhado, a casa 2 interceptada, o Sol dentro de uma casa interceptada, Quíron no signo de leão ou na casa 2 ou na casa 5, etc. Entretanto, existem caminhos dentro da própria carta astrológica que podem nos auxiliar nessa jornada.


A Astrologia utilizada como ferramenta para o desenvolvimento pessoal tem muito a contribuir na construção de uma autoestima saudável e sólida. Ao olharmos para do signo que está na cúspide da casa 2, que é associada ao planeta Vênus e ao signo de Touro, temos a informação sobre o que nós valorizamos e, ao trabalharmos as características deste signo, somado ao posicionamento do seu regente, podemos nos direcionar melhor, de modo a fortalecer o Eu.


Portanto, uma pessoa que possui Gêmeos na cúspide da casa 2 tem como um importante papel na construção da sua autovalorização as conexões sociais, o intelecto, o conhecimento, ou seja, essa pessoa deve investir nas suas habilidades mentais e de comunicação. O posicionamento do regente, nesse caso, Mercúrio, também deve ser considerado. Digamos que Mercúrio esteja posicionado na casa 9 do mapa natal, seguir uma filosofia de vida, ter ideais, estar em contato com a espiritualidade - podendo significar ter uma religião, a moralidade e o ensino superior são assuntos que fazem parte dos seus valores. A vida no exterior ou o contato com uma cultura diferente também tem um importante papel e podem ser um fator de transformação dos seus valores.


Conforme mencionado acima, o planeta Vênus tem uma afinidade com os assuntos da casa 2, portanto, também deve ser considerado quando falamos de amor próprio. O signo de Vênus nos conta quais as qualidades que mais valorizamos, já a casa astrológica nos informa qual é a área da vida que damos valor e é importante investirmos para aumentarmos nosso autoestima. Posto isto, uma pessoa com Vênus em capricórnio na casa 7 deve satisfazer sua Vênus sendo disciplinada, comprometida, madura, organizada e independente, principalmente, nos assuntos da casa mencionada, isto é, no seu relacionamento afetivo ou nas parcerias profissionais.


Outros fatores no mapa natal agregam valor na construção da autoestima, como o posicionamento do Sol, afinal estar seguro de si, da sua identidade, compreendendo não apenas as características do signo solar como também da casa onde o Sol está posicionado, certamente aumentam a nossa autoconfiança e o valor que damos a nós mesmos. Em outras palavras, viver de acordo com o nosso signo solar, significa viver a nossa verdade de forma individual e isso tem um impacto positivo na nossa vida, de modo que o que os outros pensam sobre nós já não nos afeta mais, pois estamos cada vez mais seguros de nós mesmos.


Desta forma, digamos que uma pessoa tenha o Sol no signo de aquário, sabemos que ela terá maiores chances de sucesso pessoal se ela empoderar-se das qualidades desse signo como, por exemplo, sendo original, criativa, humanitária, inventiva, amiga, independente, mente aberta e intelectual. Se o Sol estiver posicionado na casa 6, será positivo se ela investir nos assuntos dessa casa que são importantes para ela, como o servir, a nutrição, a saúde, o exercício físico, a rotina e o trabalho. Assim, ao aproximar-se dessas características encontrará sua essência, a sua verdade, seus talentos, viverá de maneira mais consciente e aumentará sua autoconfiança e autoestima.


Na mesma proporção de importância do Sol também é o Ascendente, que funciona como um veículo condutor, ou seja, é a ferramenta que utilizamos para construir nossa identidade, de modo que ao extrairmos o melhor do signo ali posicionado adquirimos uma maior consciência dos nossos valores e potencialidades para conduzirmos nossa vida e expressarmos nossa individualidade. Lembrando que o regente do ascendente é um ponto super importante no mapa natal e também deve ser analisado.


Digamos que o ascendente seja áries, o nativo realiza na vida na sua expressão máxima sendo corajoso, tendo iniciativas e impulso de realização, liderando quando necessário, isto é, essa pessoa se empodera da sua personalidade e entende seu valor, quando ela age e toma as ações nessárias para avançar na busca pelos seus objetivos. No caso de Marte, planeta regente de áries, estar posicionado na casa 11, essa pessoa possivelmente tem muita força de realização de projetos, tem ideias pioneiras muito originais, gosta de liderar grupos e ao estar em conexão com esses pontos que são importantes para ela, aumentam suas chances de sentir-se bem consigo mesma.


Por fim, a casa 5 é considerada, dentro outros assuntos, a casa da autoexpressão e é associada ao signo de Leão, portanto, é fundamental relacionarmos essa casa com a noção de valor e amor-próprio. O signo que está na cúspide desta casa nos conta como expressamos nossa personalidade e ao nos familializarmos com essas qualidades nos tornamos mais conscientes do nosso valor, seguros de nós mesmos e não permitimos sermos moldados pelo desejo do outro. Assim, se sagitário está na cúspide dessa casa, o nativo deve ter consciência que sua autoexpressão ocorre de maneira expansiva e entusiasmada, por outro lado, se é escorpião que ocupa a casa 5 a expressão se dá com profundidade e intensidade.


Bem, aqui abordamos apenas alguns pontos da carta natal, mas que já nos auxiliam no entendimento dos nossos valores e onde encontrá-los, de acordo com nosso mapa astrológico.


Somente quando temos certeza de quem somos e qual o nosso papel no mundo, ou seja, de que forma viemos contribuir para com a humanidade, podemos dizer com firmeza: Eu sei qual é o meu valor e não abro mão disso. Portanto, que possamos definir nossos valores e que sejamos leais à eles todos os dias, aprendendo e escolhendo amar e valorizar quem somos.


Até breve,

Samira Stoiani

Commentaires


bottom of page